Ideia Ampla | por Paulinha Dias: O Alquimista - Paulo Coelho

O Alquimista - Paulo Coelho


Santiago era um jovem  que largou o seminário para se tornar pastor de ovelhas e conhecer o mundo; contudo durante a noite um mesmo sonho sempre se repetia: uma criança mostrando um tesouro junto as pirâmides no Egito.

Certo dia resolveu procurar uma cigana para que decifrasse seu sonho, a cigana leu a sua mão e disse para que ele fosse em busca desse tesouro, está porem não cobrou nada pela consulta e fez com que ele prometesse a décima parte desse tesouro.O jovem pastor não estava muito confiante sobre a existência do tesouro e como faria para encontrá-lo,mas estava até feliz por ter feito uma consulta com a cigana sem gastar um tostão.

Sentado em um banco começando a leitura do livro que havia trocado no mercado percebeu que havia um senhor idoso que parecia querer iniciar conversa; mesmo tentando evitá-lo a todo custo não conseguiu; o inicio dessa conversação foi inevitável e as decisões que tomou a partir dali mudou o rumo de sua história.


Esse jovem pastor vendeu todas as sua ovelhas e foi em busca do seu tesouro no Egito, mas só que encontrar esse tesouro não foi tão fácil assim, apesar do universo está conspirando para que ele realizasse o seu sonho, ele teve que ser muito persistente e paciente, visto que logo no inicio de sua jornada e em uma terra estrangeira, todo o seu dinheiro fora roubado e ele teve que ver os sinais que o mundo lhe dava para iniciar tudo do zero. “Não tinha um centavo no bolso, mas tinha fé na vida”.

Trabalhou para um mercador de cristais; fez o negocio prosperar e depois de onze meses e noves dias havia conseguido o dinheiro para conseguir chegar ao Egito e realizar sua lenda pessoal, mas nesse caminho a vida lhe preparou ainda muitas surpresas, encontrou o grande amor de sua vida, e o seu encontro com o Alquimista fez com que ele aprendesse a ouvir e ver os sinais do mundo.

“Quanto mais perto ele ficava do seu sonho,  mais as coisas se tornavam difíceis.Não funcionava mais aquilo que o velho rei havia chamado de “sorte de principiante”.”

“Quando temos os grandes tesouros diante de nós nunca percebemos. E sabe por quê?Porque os homens não acreditam em tesouros.”

“Só sentimos medo de perder aquilo que temos, seja nossa vida, sejam nossas plantações.Mas esse medo passa quando entendemos que nossa história e a história do mundo foram escritas pela mesma mão.”

“É natural ter medo de trocar por um sonho, tudo aquilo que já se conseguiu.”

“Se o que você encontrou é feito de matéria pura, jamais apodrecerá. E você poderá voltar um dia.Se foi apenas um momento de luz, como a explosão de uma estrela, então não vai encontrar nada quando voltar.Mas terá visto uma explosão de luz.E só isso já valeu a pena.”

O livro o “Alquimista” é o livro do autor brasileiro mais lido no mundo. Foi o primeiro livro que li do autor Paulo Coelho, e mesmo nunca o tendo lido um livro seu, tinha uma certa resistência aos livros de sua autoria. Preconceito, acho que essa palavra resume o que sentia pelo os livros desse autor que se autodenominava “Bruxo”; a critica que os meios impressos e eletrônicos faziam ao seu estilo literário acabou me influenciado sutilmente.

Ao ler o livro “O Alquimista” descobrir que Paulo Coelho é um bruxo mesmo, mas não do tipo de bruxos que estamos acostumados a ver nos filmes, durante a leitura podemos perceber que o autor é o bruxo do amor, pois de forma majestosa conseguiu colocar em apenas um livro verdades universais, que tocam o mais profundo da nossa alma levando-nos a olhar para o mundo através de outra perspectiva.

Durante a minha vida tive o prazer de ler esse livro duas vezes a primeira em 2006 e a segunda agora em 2012,  e confesso que todas essas duas vezes esse livro marcou a minha vida de forma muito profunda e diferente.

Mesmo com um passado cheio de ressalvas aos livros de Paulo Coelho, hoje sou fã de seus trabalhos e sua forma sublime de escrita. Ao ler o prefácio não pude conter as lagrimas, foi muita emoção ler esse livro depois de tanto tempo, e perceber o quanto ele continuava sendo especial para mim.

A edição está impecável, o livro está dividido de uma forma que particularmente adoro com capítulos não muitos extensos e repletos de emoção.As notas sobre o autor, coisa que não lembro de telas visto em edições anteriores são bem interessantes, destaco a paixão pelo teatro que eu e Paulo Coelho Compartilhamos. \ o /

Espero ter a oportunidade de ler todos os livros de sua autoria e me deliciar com essas historias que faz-nos ver o mundo com os olhos do coração.

Este livro foi uma cortesia da Editora:




Comentários do facebook
7 Comentários do Blogger

7 comentários:

  1. Eu tinha 15 anos quando li esse livro, achei fantástico.
    Indico pra todos, considero um dos melhores de Paulo Coelho.
    Parabéns pela resenha,ótima dica e sucesso!
    Bjo
    Ni
    @ciadoleitor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI Nizete, eu também super indico esse livro.É muito bom mesmo!!
      Um Xero!

      Excluir
  2. Nossa!!!! Nem preciso mais ler esse livro.Kkkkkkkk Brincadeirinha,me deu uma vontadae tamanha de me "deliciar com essas histórias".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi amiga,bom te ver por aqui!

      Tenho certeza que você não irá se arrepender de ler esse livro, ele é muito melhor do que você pensa.

      Um xero, volte sempre!

      Excluir
  3. Oi Ana!

    Nunca li nada do Paulo Coelho, pois minha mãe sempre falou mal dele para mim D:

    Mas sua resenha me soou tão emocionante que fiquei com uma vontaaade...

    Beijos!

    Natalia Leal
    http://www.paginas-encantadas.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Natália, antes de ler um livro dele também pensava como você, mas os livros dele são bons; só não recomendo para você "Onze minutos" por causa da sua idade!

      Um xero!

      Excluir
  4. Li este livro na adolescência. Na época, fiquei completamente fascinada e li ainda mais duas obras deste autor. Mas o tempo passou e o fascínio por seu gênero literário se foi, mas quando li me motivou positivamente com a mensagem contida como moral da estória.
    http://editoraselivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *