Ideia Ampla | por Paulinha Dias: Citações - Livro: Perto do Coração Selvagem

Citações - Livro: Perto do Coração Selvagem



“A bondade me dá ânsias de vomitar.”
“Estava vivendo menos do que podia e imaginava que sua sede pedisse inundações.”
“Tudo o que não sou não pode me interessar, há impossibilidade de ser além do que se é.”
“Tenho um corpo e tudo o que eu fizer é continuação de meu começo; se a civilização dos Maias não me interessa é porque nada tenho dentro de mim que se possas unir aos seus baixos-relevos; aceito tudo o que vem de mim porque não tenho conhecimento das causas e é possível que esteja pisando no vital sem saber; é essa a minha maior humildade, adivinhava ela.”
“É porque estou muito nova ainda e sempre que me tocam ou não me tocam, sinto.”
“A única verdade é que vivo.Sinceramente, eu vivo.Quem sou?Bem, isso já é demais.”
“É curioso como não sei dizer quem sou.Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer.Sobretudo tenho medo de dizer, porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo.”
“Ah, piedade é o que sinto então.Piedade é a minha forma de amor.”
“De ódio e de comunicação. É o que me sustenta contra o mundo, assim como alguém vive pelo desejo, outro pelo medo.”
“Depois que se é feliz o que acontece?”
“Não é saudade, porque eu tenho agora a minha infância mais do que enquanto ela decorria…”
“É valer mais dentro de si mesmo.”
“Quem se recusa o prazer, quem se faz de monge, em qualquer sentido, é porque tem uma capacidade enorme para o prazer, uma capacidade perigosa – daí um temor maior ainda.Só quem guarda as armas a chave é quem receia atirar sobre todos.”
“Bom é viver…Mau é não viver.”
“Mau é não viver, só isso.Morrer já é outra coisa.Morrer é diferente do bom e do mau.”
“É como uma vontade de respirar muito, mas também o medo…Não sei…Não sei, quase dói.É tudo… É tudo.”
Nunca sofra por não ter opiniões em relação a vários assuntos.Nunca sofra por não ser uma coisa ou pro sê-la.”
“ – Não, disse ele, não.Nem sempre.Às vezes possui-se o mais alto e no fim da vida tem-se a impressão… - olhou-a de lado – tem-se a impressão de que se está morrendo virgem.É que as coisas não são talvez mais altas e mais baixas.De qualidade diferente, entende?”
“É que sou feia.”
“Quem disse que você é feia?”
“Eu posso esperar.
Esperar o que?
Até que eu fique bonita.Bonita como ‘ela’.”

“Amor tão forte que só esgotava sua paixão na força do ódio.Agora sou uma víbora sozinha.”
“Minha boca, meio infantil, tão certa de seu destino, continua igual a si mesma apesar de minha distração total.”
“Analisar instante por instante, perceber o núcleo de cada coisa feita de tempo ou de espaço.Possuir cada momento, ligar a consciência a eles, como pequenos filamentos quase imperceptíveis mas fortes.”
“Mas o sonho é mais completo que a realidade…”
“O que importa afinal:viver ou saber que se está vivendo?”
“O que deve fazer alguém que não sabe o que fazer de si?”
“Tudo o que possuo está muito fundo dentro de mim.”
“No momento em que fecho a porta atrás de mim, instantaneamente me desprendo das coisas.”
“Liberdade é pouco.O que desejo ainda não tem nome.”
“Talvez não tenha sido feita para as águas puras e largas, mas para as pequenas e de fácil acesso.”
“Além do mais, a idéia é a verdade!”
“Antes estava fechada, opaca.Mas, quando me levantei, foi como se tivesse nascido da água.”
“É preciso que eu não esqueça, pensei, que fui feliz, que estou sendo feliz mais do que se pode ser.Mas esqueci, sempre esqueci.”
“Felizmente despertou, a vida é curta, precisa-se aproveitar, antes ela era apagada, agora que é gente.”
“Porque ela nascera para o essencial, para viver ou morrer.”
“A personalidade que ignora a si mesma realiza-se mais completamente.”
“Por que não?Por que não tentar amar?Por que não tentar viver?
“Inútil seguir por outros caminhos, quando para um só seus passos a guiam.”
“À noite, sozinha no quarto, queria-o.Todos os seus nervos, todos os seus músculos doentes.”
“Medo de não amar, pior do que o medo de não ser amado.”
“Mas agora ela falava também porque não sabia dar-se…”
“A distância que separa os sentimentos das palavras.”
“No momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que digo.Ou pelo menos o que me faz agir não é, seguramente, o que eu sinto mas o que eu digo.”
“No momento em que finalmente  a beijara sentira-se ele próprio de repente livre, perdoado…”
“Casariam, ver-se-iam minutos por minuto e que ela fosse pior que ele.”
“Afastou-se bruscamente e foi embora sem se voltar para trás,sem saudade.”
“Sua presença, e mais que sua presença:saber que ele existia, deixavam-na sem liberdade.”
“Ele, no entanto, como sempre, nada adivinhava e justamente nos momentos em que deveria olhar, distraía-se com qualquer coisa.”
“Não gosto tanto de mim a ponto de gostar das coisas de que eu gosto. Amo mais o que quero do que a mim mesma.”
- Adiar, só adiar, pensou Joana antes de deixar de pensar. Porque os últimos cubos de gelo haviam-se derretido e agora ela era tristemente uma mulher feliz.”
- Por isso a poesia dos poetas que sofreram é doce e terna.E a dos outros, dos que de nada foram privados, é ardente, sofredora e rebelde.”
“O homem levanta casas para olhar e não para nelas morar.”
“O cientista puro deixa de crer no que gosta, mas não pode impedir-se de gostar do que crê.”
“Tudo o que poderia existir, já existe. Nada mais pode ser criado senão revelado.”
“A beleza das palavras: natureza abstrata de Deus.”
“– Mesmo os grandes homens só são verdadeiramente reconhecidos e homenageados depois de mortos. Por quê? Porque os que elogiam precisam se sentir de algum modo superior ao elogiado, precisam conceder.”
“Badaladas de relógio só terminam quando terminam, nada há a fazer.”
“O que eu quero, meu bem, é te ver sempre, meu bem.Como eu te vir hoje meu bem.”

“Se amares um marinheiro terás amado um mundo inteiro.”
“Não importa, não importa se depois ele não acreditar, se correr de mim como o professor”.
“Acreditava-se muito poderosa e sentia-se infeliz.”
“Tão infeliz que julgando-se poderosa, não sabia o que fazer de seu poder e via cada minuto perdido porque não o orientava para um fim.”
“Ninguém jamais pensou em dar alguma coisa a Joana.”
“Não amor, entregavam-lhe sempre outro sentimento qualquer.”
“Viveu sua vida, ávida como uma virgem – isso para o túmulo.”
“Tudo lhe parecia às vezes precioso demais, impossível de ser tocado.”
“Veja se compreende a minha heroína, titia, escute.Ela é vaga e audaciosa.Ela Não ama, ela não é amada.”
“Oh, não poder sair à rua na roupa em que se está.”
“Ela estava tão pura e livre que poderia escolher e não sabia.”
“Em pequena imaginava que se pudesse contar a alguém o “mistério do dicionário”, ligar-se-ia para sempre a esse alguém.”
“É que tudo o que eu tenho não se pode dar.Nem tomar.Eu mesma posso morrer de sede de mim.A solidão está misturada à minha essência.”
“Você sempre me deixou só porque quis, porque quis.”
“Está gravado em mim que o amor cessa na morte...”
“Tudo o que nos vem é matéria bruta,mas nada existe que escape a transfiguração.”

“A dor de hoje será amanhã tua alegria; nada existe que escape à transfiguração.”

“No entanto sentia que essa estranha liberdade que fora sua maldição, que nunca a ligaria nem a si própria, essa liberdade era o que iluminava sua matéria.”

“Então terei de novo uma verdade, o meu sonho.”


“Deus, vinde a mim não para me salvar, a salvação estaria em mim, mas para abafar-me com tua mão pesada, com o castigo, com a morte, porque sou impotente e medrosa em dar o pequeno golpe que transformará todo meu corpo nesse centro que deseja respirar e que se ergue, que se ergue.”





LISPECTOR, Clarice.Perto do coração selvagem.Rio de Janeiro:Rocco,1998

Comentários do Facebook
0 Comentários do Blogger

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *